Boletim de 6 de setembro de 2019

Apresentado esta semana

Anidrido maleico

O anidrido maleico (anidrido butenodioico, anidrido toxílico, 2,5-dioxofurano) é um composto orgânico com a fórmula C2H2 (CO) 2O. [1] Em condições normais, o anidrido maleico é encontrado como cristais incolores ou um sólido branco, com um cheiro acre asfixiante. Ele derrete a 58 graus Celsius. O anidrido maleico é corrosivo. Ele se dissolve em água para dar ácido maleico. Ele também se dissolve na maioria dos solventes orgânicos (contendo carbono). [2]


Baixe o PDF completo abaixo


Destaques Artigos

Prefeitos franceses proíbem herbicida de glifosato, desafiando o governo

Cerca de 20 prefeitos franceses baniram o glifosato de seus municípios, desafiando o governo, que agora está tomando medidas legais para impor uma legislação nacional que permite o uso continuado do polêmico herbicida por enquanto. Em 2017, o presidente Emmanuel Macron prometeu proibir o glifosato na França dentro de três anos, rejeitando uma decisão da União Europeia de estender seu uso por cinco anos após um acalorado debate sobre se o glifosato, desenvolvido pela Monsanto, de propriedade da Bayer, pode causar câncer. Mas Macron disse desde então que uma proibição geral não é possível dentro desse prazo. Bayer diz que os reguladores e extensas pesquisas descobriram que o glifosato é seguro. Recentemente, o tribunal administrativo de Rennes, oeste da França, ouviu o prefeito de Langouet, na Bretanha, que proibiu o uso de agrotóxicos em sua cidade a 150 metros das casas e locais de trabalho das pessoas. O prefeito Daniel Cueff disse ao tribunal - que decidirá na próxima semana - que a proibição visa proteger os residentes de moléculas consideradas um risco à saúde. Cerca de 300 pessoas compareceram à audiência e quase 100,000 assinaram uma petição para apoiar a proibição de Cueff. Um advogado do Estado francês argumentou que não cabe ao prefeito proibir produtos fitossanitários, que são regulamentados pelo Ministério da Agricultura. O ministério não quis comentar, mas o ministro da Agricultura, Didier Guillaume, disse em janeiro que a França eliminará 80% do uso de glifosato até 2021. Sindicatos de agricultores se opuseram à proibição, dizendo que não há alternativas viáveis ​​para o produto químico e que uma transição para a agricultura orgânica é muito caro. Permitir que o prefeito substitua o estado pelo glifosato “seria o retorno dos barões locais e o reinado dos senhores sobre seus servos”, disse Cedric Henry, chefe do sindicato dos fazendeiros da Bretanha FDSEA-35 em um comunicado. De acordo com a legislação atual, a aplicação de glifosato deve ficar de cinco a 10 metros longe do alojamento. O sindicato dos produtores de trigo AGPB disse em um comunicado que a extensão da zona de não tratamento retiraria milhares de hectares de terra da produção. A ministra do Meio Ambiente, Elisabeth Borne, disse que o governo revisaria a regulamentação dos pesticidas em breve. O governo também está disputando a proibição local do glifosato em várias outras comunas rurais ao redor da França. O glifosato é amplamente utilizado na França, o maior produtor de grãos da União Europeia, principalmente por fazendeiros, jardineiros e operadores ferroviários que desejam se livrar de gramíneas indesejadas a baixo custo. Desenvolvido pela Monsanto sob a marca Roundup, o Glyphosate não está patenteado e é comercializado mundialmente por dezenas de outras empresas, incluindo Dow Agrosciences e BASF.

http://www.reuters.com

Projetando uma batata frita com baixo teor de gordura melhor

Mastigar batatas fritas com baixo teor de gordura pode reduzir a culpa em comparação com as versões com gordura total, mas muitas pessoas não acham a textura tão atraente. Agora, os pesquisadores desenvolveram uma técnica para analisar as características físicas das batatas fritas, desde a simulação da primeira mordida até a deglutição, que eles dizem que pode ser usada para ajudar a formular um lanche mais saboroso com baixo teor de gordura. Eles relatam seus resultados no Journal of Agricultural and Food Chemistry. O corte de gordura em batatas fritas geralmente envolve a redução do teor de óleo vegetal. No entanto, o óleo ajuda a dar ao produto sua crocância, sabor e sensação na boca característicos. Quando os cientistas de alimentos formulam um novo chip com baixo teor de gordura, eles geralmente contam com especialistas treinados para lhes dizer o quão bem o novo lanche simula a versão completa com gordura. Este processo pode ser caro, demorado e muitas vezes subjetivo, uma vez que as percepções podem variar com base em fatores como a taxa de fluxo e composição da saliva de uma pessoa. Enquanto estava na PepsiCo, Stefan Baier - agora na Motif Ingredients - e a equipe de Jason Stokes na Universidade de Queensland queriam desenvolver um método mais objetivo para analisar as características físicas de uma batata frita em quatro estágios de alimentação simulada: a primeira mordida, quando o chip é retirado da embalagem e quebrado pelos dentes; cominuição, quando as partículas do chip são quebradas ainda mais e molhadas pela saliva; formação do bolo alimentar, quando as partículas pequenas e amolecidas começam a se agrupar à medida que as enzimas da saliva digerem os amidos; e engolir, quando a massa aglomerada se move para o fundo da boca e é finalmente engolida. Para desenvolver seu método, denominado processamento oral in vitro, os pesquisadores usaram diferentes instrumentos para medir as características físicas de chips com diversos teores de óleo em cada uma das quatro etapas. Por exemplo, para o estágio de "primeira mordida", eles realizaram testes mecânicos para medir a força necessária para quebrar os chips e, para a formação do bolo, eles mediram a taxa de hidratação das partículas no tampão quando os fragmentos se tornaram um sólido macio. Os pesquisadores usaram os resultados para projetar um chip com baixo teor de gordura revestido com uma fina camada de óleo de tempero, que continha uma pequena quantidade de um emulsificante alimentar. O óleo de tempero fez o chip com baixo teor de gordura ficar mais parecido com a oleosidade de um full-fat em testes com avaliadores sensoriais, mas adicionou apenas 0.5% a mais de óleo ao produto. Cientistas de alimentos poderiam usar a nova técnica para vincular medições físicas com percepções sensoriais, dizem os pesquisadores.

http://phys.org

Inquérito Rápido